Esta é uma versão desatualizada publicada em 2022-08-26. Leia a versão mais recente.

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES APÓS O ESTATUTO DA CIDADE: UM ESTUDO DE RIO CLARO-SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59550/engurbdebate.v3i1/2.54

Palavras-chave:

Plano Diretor, Estatuto da Cidade, Cidades Médias, Rio Claro

Resumo

As cidades médias brasileiras passaram a desempenhar novas e importantes posições nos contextos mundial e nacional, principalmente por vivenciarem profundas transformações econômicas e sociais. Com a promulgação do Estatuto da Cidade, em 2001, regulamentando os artigos 182 e 183 da Constituição Federal de 1988, houveram mudanças significativas na administração pública e no papel do cidadão na estrutura social. Com a hipótese de que estas mudanças não estejam sendo incorporadas nos Planos Diretores, acarretando em prejuízos ao desenvolvimento municipal e à população, será realizado um estudo comparativo entre os Planos Diretores elaborados após a aprovação do Estatuto da Cidade em uma cidade média, Rio Claro (SP). Para tal, foi realizada a caracterização do município, bem como um levantamento das principais Legislações Municipais relacionadas ao tema no período de 2001 a 2021. A partir dos dados levantados, foi possível realizar uma análise comparativa entre os Planos Diretores de 2007 e 2017, bem como as respectivas Leis Complementares, identificando as mudanças e condicionantes, assim como as potencialidades e fragilidades presentes no município. Verificaram-se tímidos avanços na legislação com relação aos instrumentos incorporados em detrimento do Estatuto da Cidade e ausência de legislação específica que os regulamente e coloque em prática seus objetivos.

Referências

ABRUCIO, F. L. Trajetória recente da gestão pública brasileira: um balanço crítico e a renovação da agenda de reformas. Revista de Administração Pública, FGV, Rio de Janeiro, v. 41, n. SPE, p. 67-86. 2007. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-76122007000700005.

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. Perfil do município de Rio Claro, SP. PNUD, IPEA, Fundação João Pinheiro, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/perfil/municipio/354390. Acesso em: 13 abr. 2021.

BRAJATO, D.; DENALDI, R. O impasse na aplicação do Estatuto da Cidade: explorando o alcance do PEUC em Maringá-PR (2009-2015). Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 21, p. 45-62, 2019. Doi: https://doi.org/10.22296/2317-1529.2019v21n1p45

BRASIL. Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 1979. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6766.htm. Acesso em: 04 out. 2021.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 19 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2001. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LEIS_2001/L10257.htm. Acesso em: 19 abr. 2021.

BRASIL. Lei nº 11.673, de 8 de maio de 2008. Altera a Lei no 10.257, de 10 de julho de 2001 - Estatuto da Cidade, para prorrogar o prazo para a elaboração dos planos diretores municipais. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11673.htm. Acesso em: 18 abr. 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde. DATASUS. Índice de Gini da renda domiciliar per capita segundo Município - Período: 1991, 2000 e 2010 - Rio Claro. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/ibge/censo/cnv/ginibr.def. Acesso em: 20 abr. 2021.

CUNHA, T. A. da; FARIA, T. C. de A.; NASCIMENTO, A. C. C. Efeitos dos planos diretores na cobertura infraestrutural urbana: o Estado de São Paulo como estudo de caso. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, PUCPR, Curitiba, v. 11. 2019. Doi: https://doi.org/10.1590/2175-3369.011.e20180092.

FERNANDES, Júlia Teixeira. Código de obras e edificações do DF: inserção de conceitos bioclimáticos, conforto térmico e eficiência energética. 2009. 249 f., il. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)-Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

FERREIRA, J. F. Habitação, cidade e campo: indicadores de segregação e seus padrões espaciais. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. 2018.

FIRJAN - FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal do município de Rio Claro, SP. FIRJAN, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://www.firjan.com.br/ifdm/consulta-ao-indice/ifdm-indice-firjan-de-desenvolvimento-municipal-resultado.htm?UF=SP&IdCidade=354390&Indicador=1&Ano=2016. Acesso em: 13 abr. 2021.

FRANÇA, I. S. de; ALMEIDA, M. I. S. de. O processo de verticalização urbana em cidades médias e a produção do espaço em Montes Claros/MG. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, v. 42, n. 2: 584-610. 2015. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/bgg/article/view/52944/34038. Acesso em: 10 mai. 2021.

GOULART, J. O.; TERCI, E. T.; OTERO, E. V. A dinâmica urbana de cidades médias do interior paulista sob o Estatuto da Cidade. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (RBEUR), v. 15, n. 1, p. 183-200, 2013.

HENDERSON, V. Medium size cities. Regional science and urban economics, Elsevier, v. 27, n. 6, p. 583–612. 1997. Doi: https://doi.org/10.1016/S0166-0462(96)02169-2

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Panorama do município de Rio Claro. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/rio-claro/panorama. Acesso em: 10 mai. 2021.

LIMA, M. M. Análise multitemporal dos impactos da expansão minerária no município de Rio Claro, SP. Monografia (Especialização em Gestão Ambiental). Universidade Tecnológica Federal do Paraná. 2018. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/22838. Acesso em: 15 mai. 2021.

LIMA, S. M. S. A.; LOPES, W. G. R.; & FAÇANHA, A. C. Desafios do planejamento urbano na expansão das cidades: entre planos e realidade. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, PUCPR, Curitiba, 11, e20190037. 2019. Doi: 10.1590/2175-3369.011.e20180037

KELLER, R. J.; BELLO, E.; DE OLIVEIRA COSTA, S. R. Democracia e participação popular nos 20 anos do Estatuto da Cidade. Revista da Faculdade de Direito da FMP, v. 16, n. 2, p. 100-116, 2021. Doi: https://doi.org/10.53929/rfdf.v16i2.275.

OLIVEIRA, C. M.; LOPES, D., SOUSA; I. C. N. Direito à participação nas políticas urbanísticas: avanços após 15 anos de estatuto da cidade. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, PUCPR, Curitiba, 10 (2). 2018. Doi: 10.1590/2175-3369.010.002.AO04 ISSN 2175-3369.

RAIA JÚNIOR, A. A. Uma Avaliação do Modelo META para Cálculo de Custos de Transportes e seu Uso na Tributação de Terrenos Urbanos Ociosos. 144f. Dissertação (Mestrado em Transportes). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos. 1995.

RIO CLARO. Lei Municipal nº 3.806, de 28 de dezembro de 2007. Dispõe sobre a revisão do Plano Diretor do município de Rio Claro. Rio Claro: Câmara Municipal, 2007. Disponível em: https://cespro.com.br/visualizarDiploma.php?cdMunicipio=9320&cdDiploma=20073806&NroLei=3.806&Word=0&Word2=. Acesso em: 2 abr. 2021.

RIO CLARO. Lei Complementar nº 081, de 25 de setembro de 2013. Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e rural do município de Rio Claro e dá outras providências. Rio Claro: Câmara Municipal, 2013a. Disponível em: https://www.rioclaro.sp.gov.br/pd/arquivos/pd_2013/2-LEI-COMPLEMENTAR-N081.pdf. Acesso em: 2 abr. 2021.

RIO CLARO. Lei Complementar nº 082, de 25 de setembro de 2013. Dispõe sobre o zoneamento urbano, uso e ocupação do solo do município de Rio Claro. Rio Claro: Câmara Municipal, 2013b. Disponível em: https://www.rioclaro.sp.gov.br/pd/arquivos/pd_2013/4-LEI-COMPLEMENTAR-N082.pdf. Acesso em: 2 abr. 2021.

RIO CLARO. Lei Municipal nº 4.459, de 25 de março de 2013. Regulamenta o Artigo 41 da Lei Municipal nº3.806, de 28 de dezembro de 2007 - Plano Diretor, para autorizar o Poder Público a realizar Convênio com Empreendimentos Públicos, Cooperativas e Particularidades destinados e Conjuntos Habitacionais de Interesse Social. Rio Claro: Câmara Municipal, 2013c. Disponível em: https://cespro.com.br/geraPDF.php?pasta=9320/2013/L4459. Acesso em: 3 abr. 2021.

RIO CLARO. Diagnóstico ambiental e desenvolvimento de sistemas de implementações de projetos de recuperação da qualidade dos corpos d'água. Volume I - Levantamento básico do município. Prefeitura Municipal de Rio Claro. São Paulo. 2014a. Disponível em: https://www.rioclaro.sp.gov.br/pd/arquivos/VolumeILevantamento.pdf. Acesso em: 29 abr. 2021.

RIO CLARO. Lei Municipal nº 4.823, de 17 de dezembro de 2014. Autoriza o poder executivo a celebrar convênio com a fundação para conservação e a produção florestal do Estado de São Paulo e dá outras providências. Rio Claro: Câmara Municipal, 2014b. Disponível em: https://cespro.com.br/geraPDF.php?pasta=9320/2014/L4823. Acesso em: 3 abr. 2021.

RIO CLARO. Lei Complementar nº 128, de 07 de dezembro de 2017. Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento do município de Rio Claro. Rio Claro: Câmara Municipal, 2017. Disponível em: https://cespro.com.br/visualizarDiploma.php?cdMunicipio=9320&cdDiploma=201701281#a165. Acesso em: 2 abr. 2021.

SANTORO, P. F. Planejar a expansão urbana: dilemas e perspectivas. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. 2012

SANTOS, M. H. d. S. Análise da revisão do plano diretor de Araraquara-SP (2014): Em discussão o papel do legislativo e os pilares da participação no planejamento urbano. 213f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara. 2018.

SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 12.342, de 27 de setembro de 1978. Aprova o Regulamento a que se refere o artigo 22 do Decreto-lei 211, de 30 de março de 1970, que dispõe sobre normas de promoção, preservação e recuperação da saúde no campo de competência da Secretaria de Estado da Saúde. Governo do Estado de São Paulo: Palácio dos Bandeirantes, 1978. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1978/decreto-12342-27.09.1978.html. Acesso em: 27 abr. 2021. Acesso em: 3 abr. 2021.

SCHENK, L.; FANTIN, M.; PERES, R. A revisão do plano diretor da cidade de São Carlos e as novas formas urbanas em curso. In: Anais do X Colóquio Quapá-SEL: Produção e apropriação dos espaços livres e da forma urbana, Brasília. Anais...FAUNB, Brasília. 2015.

SENATORE, A. M. Diagnóstico ambiental de atividades de mineração com ênfase em olarias no município de Rio Claro (SP). 56f. Monografia (Graduação em Engenharia Ambiental). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro. 2007. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/121122. Acesso em: 16 mai. 2021.

TANAKA, R. M. H. ZEIS de vazios em São Paulo 2002-2014: produção habitacional, transformações e permanências do estoque de terras. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. 2018.

WHITACKER, A. M. Centro da cidade e novas áreas centrais. Uma discussão a partir de São José do Rio Preto, Brasil. Organização: José Alberto V. Rio Fernandes e, p. 283, 2018.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-08-26

Versões

Como Citar

Caldas, R. C. S., Freato, M. P. R., Musembani, L., Masiero, Érico, Miyasaka, E. L., & Gonçalves, L. M. (2022). AVALIAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES APÓS O ESTATUTO DA CIDADE: UM ESTUDO DE RIO CLARO-SP. Engenharia Urbana Em Debate, 3(1/2). https://doi.org/10.59550/engurbdebate.v3i1/2.54

Edição

Seção

Urbanismo